Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
» Bladesinger - Arquétipo para Mago/Feiticeiro!
Sab Jun 16, 2018 2:52 pm por Felipe

» Nash Kelemvorita!!
Qui Jun 14, 2018 2:00 pm por Felipe

» A Morte, Reapper, Death!!
Qua Jun 13, 2018 9:38 pm por Felipe

» Cocheiros, Diligências e Estábulos
Ter Jun 12, 2018 3:07 pm por Felipe

» A Canção do Mundo!!
Seg Jun 11, 2018 5:58 pm por Felipe

» Alinhando as Tramas!!
Seg Jun 11, 2018 10:57 am por Felipe

» Nigel, de Tyr
Dom Jun 10, 2018 9:49 pm por Felipe

» Domínios do Medo!!
Dom Jun 10, 2018 6:50 pm por Felipe

» Old McCoy / Edwin
Sab Jun 09, 2018 11:54 am por Felipe

Junho 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930 

Calendário Calendário

Os membros mais marcados


A Canção do Mundo!!

Ir em baixo

A Canção do Mundo!!

Mensagem por Felipe em Seg Jun 11, 2018 5:58 pm

O canto dos pássaros...
O som das águas...
O rolar das pedras...
O crepitar da fogueira...

Separados, são ruídos que perturbam os sentidos. Juntos, formam a canção mais bela jamais tocada, jamais ouvida, jamais sequer PERCEBIDA pelos sentidos humanos, ou de qualquer outra raça que caminha sobre o mundo.

Mas aquele homem não era um humano. Não, já fazia bastante tempo que deixou de lado sua humanidade e transcendeu a um novo status.
Estava ali, com os pés na beira do lago, sentindo a água tocar a pele, a marola provocada pelo vento movendo a pouca terra que se desprendia do fundo, formando um limo fino.
Ele olhava para o vazio daquele pequeno horizonte, não era distante como as montanhas além, mas era distante para que olhos mundanos não enxergassem a margem oposta.
Sua poderosa audição trazia sons de muito longe, canto de pássaros nunca antes ouvidos, isolados nas montanhas...
A voz de peixes das profundezas...
As salamandras, nas profundezas de vulcões extintos a eras...
O bater das asas dos pássaros migratórios, voando além das nuvens...
Os cascos dos antílopes nos distantes prados de Shaar...

Eram tantos sons, e ninguém compreenderia o sorriso que brotou em seu rosto.
Antes, pensamentos inglórios de ambição e poder nublaram seus sentidos, e tudo o que conhecia, queria para si. Queria conhecer, queria entender... queria COMANDAR...

Perdeu tudo por um único ato de insanidade, mas não foi o fim de sua busca. Ele ambicionou mais, e provocou o pior em seu mundo.
Em Abeir-Toril, um Deus é a representação de seu aspecto. Mas em seu mundo, distante e esquecido, o mundo era o reflexo de seus Deuses. Mas ele só descobriu isto após cometer o primeiro assassinato, mergulhando o mundo na ignorância do Não-Saber.
E da tolice, nasceu o desrespeito, os conflitos e as pragas, e guerras mortais se seguiram. E um a um, ele os foi eliminando em sua derrocada, até que chegasse ao topo, vendo tudo ruir em sua passagem.
Nada mais havia a ser tomado.
Nada mais RESTAVA de seu mundo.

Pra que não fosse apagado da existência, os deuses lhe deram a chance de renascer em outro lugar, e re-escrever sua história, ou melhor, escrever uma NOVA história. Mas para isto, suas partes deveriam ser separadas, suas conquistas, suas... DIVINDADES.

Ele aceitou o fardo... mas não sua loucura. E quando os Eternos preparavam-no para voltar a existir, foi Edlan quem os deteve, e enfrentou um a um com fúria desmedida, matando aquilo que não poderia ser morto, encerrando o que nunca foi começado.

Ele acordou nas ruínas da eternidade, um mundo esquecido, e pela segunda vez não tinha chão, não tinha um mundo para pertencer.
Então reuniu seu poder e desejou um pouco de Paz, ressurgindo em um mundo novo.

Uma vez mais pertenceu a um lugar,t eve amigos, uma família... E uma vez mais tentaram matá-lo.
Ela tomou seu coração de assalto, mostrou uma nova vida, mais imediata, sem a eternidade, sem o Esquecimento como Sina. Mas no final, ela só queria sua imortalidade.
Ela o matou, mas não a Edlan, que a marcou no mais profundo de sua ambição, uma mulher feita animal. Uma Lobis-humana. E assim começou seu caminho de tirania e caçadas sanguinárias, até encontrar um rival à altura... e perder a vida lutando.

Agora Ele vagava só uma vez mais, quando outro fragmento de sua eternidade chamou a atenção. E assim Ele e Gurag ficaram frente a frente. Parte e Todo de um imenso poder...

Agora ele estava ali, não-nascido, mas vivo; não-deus, mas divino.
Mas sabia que se despertasse sua força, também despertaria sua loucura. Então envolveu-se no mais completo Silêncio.

Mas ouvir a Canção do Mundo era a maior das tentações, ainda mais num mundo tão diferente, onde os Deuses são reflexo da Criação.
Ali, se ele quisesse, poderia ser o maior deles. Soberano entre os Eternos...
Por sorte, agradecia nunca ter se apoderado da Tirania, aquele velho mesquinho e miserável que matou em sua escalada. Nunca quis controle. Sempre o poder pelo poder, puro e simples.

A Canção do mundo estava mudando... estava morrendo...
Ele conhecia as notas da Criação... mas como confiar que Edlan não as tocaria em seu lugar? Como confiar que a Loucura não se faria Divina num momento de distração?

Era melhor se calar, e deixar a Canção silenciar... e deixar o destino do mundo nas mãos dos mortais, mas aqueles não eram mortais mundanos.
E muito em breve, eles descobririam isto.
avatar
Felipe
Admin

Mensagens : 3374
Data de inscrição : 12/10/2015
Idade : 40
Localização : São José dos Campos - SP

http://ospilaresdodestino.forumsrpg.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum